A intensificação, a modernização e a importância da inovação na atividade industrial em todas as áreas da engenharia (Aeronáutica, Agrícola, de Alimentos, Ambiental, Biomédica, Civil, de Controle e Automação, de Minas, Elétrica, Eletrônica, de Materiais, Mecânica, Mecatrônica, Metalúrgica, Naval, de Petróleo e Gás, Química, etc.), da arquitetura, da física, da meteorologia, etc. vêm exigindo um aumento das pesquisas científicas e tecnológicas no País.

A Fluidodinâmica Computacional (CFD) pode ser um instrumento fundamental nesta necessidade de melhoria do desempenho do parque industrial brasileiro. Isto ocorre pois através de CFD é possível obter-se soluções numéricas, por métodos computacionais, das equações de conservação do momento e da massa e, dependendo do problema em análise, de outras equações de conservação, tais como as equações da energia e de concentração de dada espécie química. Com isso, é possível, por exemplo, otimizar a geometria de automóveis, aviões, navios, reatores químicos, ciclones, etc. ou prever a dispersão de gases tóxicos ou inflamáveis na atmosfera ou, ainda, a dispersão de derramamento de óleos em cursos d’água. É possível ainda estudar o escoamento de sangue nas artérias, a injeção e cura de materiais compósitos, o escoamento de petróleo em reservatórios, trocas térmicas, turbomáquinas, a secagem de grãos, o conforto ambiental, as correntes de ar na atmosfera, etc.

O I Congresso Brasileiro de Fluidodinâmica Computacional (CBCFD 2016) é o momento oportuno para uma discussão mais abrangente das questões destacadas acima. Desta forma, o CBCFD apresenta um papel destacado na integração de profissionais das áreas de pesquisa e do setor industrial. Espera-se que essa integração venha a gerar inúmeras parcerias entre instituições de ensino e pesquisa e empresas do setor produtivo.